EIV PREVÊ IMPACTO E GERA ECONOMIA EM EMPREENDIMENTOS

A maioria dos empreendimentos podem gerar impactos nem sempre positivos em uma comunidade. Por isso, é fundamental que sua implantação seja previamente analisada e estudada a fim de evitar futuros problemas na região.

POLOS GERADORES DE TRÁFEGO
Imagine uma rua simples, de mão dupla, com 10 metros de largura, projetada para um bairro residencial de moradias unifamiliares. Esta rua irá receber a fachada de um empreendimento multifamiliar, composto por duas torres de 7 andares, com 4 apartamentos por piso. Temos aqui um típico caso de polo gerador de tráfego, pois onde antes viveria apenas uma família agora teremos pelo menos 56.

Se considerarmos que cada família possui um veículo, a demanda por vagas de estacionamento será bem maior do que na situação anterior e o fluxo de veículos nos horários de pico também.

EIV (Estudo de Impacto de Vizinhança)
Para que impactos como este sejam previamente levantados, estudados e solucionados, é necessário a realização do EIV (Estudo de Impacto de Vizinhança), que tem sua origem na Lei Federal nº 10.257, promulgada em 10 de julho de 2001.

Um dos objetivos do EIV é auxiliar na ordenação do uso e ocupação do solo urbano. Ou seja, o EIV pode ser entendido como um mecanismo de levantamento prévio dos possíveis impactos oriundos da implantação de empreendimentos em áreas urbanas, podendo servir para adaptações que possibilitem a convivência harmoniosa entre empreendimento e a população mais próxima.

ANTECIPAR E SOLUCIONAR PROBLEMAS
De volta ao problema do empreendimento, no caso de demanda por vagas de estacionamento, pode-se adaptar o projeto para vagas subterrâneas, caso o terreno não possua espaço suficiente para a implantação das vagas.

É importante considerar vagas extras para visitantes, pois as vias públicas não devem ser utilizadas como estacionamento particular.

Com relação ao problema dos polos geradores de tráfego, neste caso pode-se propor uma modificação na fachada do empreendimento, implantando uma “Baia de Desaceleração”. A baia tem o intuito de evitar aumento de tempo dos veículos que adentram o empreendimento na via pública, permitindo assim, que o fluxo se desenvolva normalmente.

Baia de desaceleração

Como diz o ditado, prevenir é o melhor remédio. Por isso, quando o EIV é realizado antes ou durante a fase de criação do projeto de um empreendimento, é possível fazer as alterações necessárias de forma muito mais fácil, barata e rápida se compararmos aos projetos já implantados.

Por Eriton Diones Dalbó
Graduando em Geografia pela UEL

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

0 Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*